Unicef: conflitos na Síria já mataram 400 crianças



Homem tenta ajudar pessoa ferida na cidade de Homs, em vídeo amador divulgado pela oposição síria (Foto: reprodução/Shaam News Network via APTN)












A repressão violenta do governo sírio a manifestações de opositores matou ao menos 400 crianças nos últimos 11 meses. É o que calcula o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). O organismo denunciou nesta terça-feira (7) o aumento da violência contra os menores. A entidade também relatou "detenções arbitrárias, torturas e abusos sexuais" de crianças nas prisões.


Em entrevista a jornalistas, a porta-voz do Unicef Marixie Mercado destacou a gravidade dos recentes bombardeios das tropas do presidente Bashar al-Assad à cidade de Homs, localizada no oeste do país e um dos principais redutos da oposição ao governo. "Os fortes bombardeios dos últimos dias em bairros civis de Homs por parte das forças governamentais estão causando sem dúvida mais sofrimento às crianças". De acordo com ela, as crianças se transformaram "em alvo deliberado" das forças de segurança.
saiba mais




A porta-voz afirmou que a Unicef não tem acesso às áreas afetadas em Homs e que não pode confirmar o impacto dos bombardeios, mas considera "críveis" as informações de que as crianças são vítimas de uma onda de violência. Na semana passada, a Unicef informou que pelo menos 384 crianças (menores de 14 anos) tinham sido assassinadas na Síria e outros 380 menores tinham sido detidos desde o início das revoltas, mas Mercado afirmou que estes números já devem ter superado os 400, devido ao aumento da violência nos últimso dias. A Unicef baseia o dado em "informações confiáveis" de ONGs com presença na região.


Os últimos números das Nações Unidas apontam que pelo menos 5.400 pessoas morreram na rebelião, número que não pôde ser atualizado pela falta de observadores do Alto Comissariado para os Direitos Humanos no país.


A porta-voz do Serviço de Informação da ONU em Genebra, Corinne Momal-Vanian, não quis avaliar se a Síria vive uma guerra civil - "algo que compete aos especialistas em Direito", disse - e reiterou que o importante é que a violência pare. "(Na ONU) não definimos a situação. Não importa como queiram chamar, o importante é que esta violência atroz pare já", disse a porta-voz das Nações Unidas. Mesmo sem dizer que a Síria vive uma guerra, Corinne afirmou: "sob as leis humanitárias internacionais, o Governo sírio é responsável por todos os atos de violência realizados por suas forças de segurança contra a população civil". Sobre a situação humanitária, a porta-voz assinalou que "é muito difícil" avaliá-la, e que a ONU "não pode propor uma ação imediata" para ajudar aos civis.


O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou na segunda-feira (6) que ataques do Exército sírio são "inaceitáveis" e disse que Damasco não pode se apoiar na falta de uma resolução no Conselho de Segurança para aumentar os ataques "contra a população". No fim de semana, Rússia e China vetaram uma resolução do conselho sobre a Síria. A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, afirmou, após a votação no órgão da ONU que a decisão o veto foi uma "paródia" e disse que os americanos tentariam maneiras de conter a crise na Síria fora do organismo. Na segunda-feira (6), os Estados Unidos demonstraram que tentariam mesmo outras estratégias de pressão e anunciaram o fechamento de sua embaixada em Damasco.


A Rússia, por sua vez, também manobra fora da ONU. O ministro do Exterior da Rússia, Sergey Lavrov, foi recebido nesta terça-feira (7) em Damasco por Bashar al-Assad. Lavrov afirmou a Assad que é interesse russo que os "povos árabes vivam em paz e harmonia". De acordo com a emissora Russia Today, Assad respondeu que a Síria “não quer ser um fardo para a Rússia”. De acordo com os números da Unicef e das ONGs que conseguem reportar parte do que ocorre na Síria, o fardo, por enquanto, é carregado pela população síria.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Parlendas O que são parlendas, exemplos de parlendas populares, folclore, brincadeiras infantis, versos

COMO É SER AVÓ PELA PRIMEIRA VEZ...

Brincadeiras do Folclore. Principais brincadeiras do folclore brasileiro, jogos folclóricos, brinquedos do folclore

Jerry Lewis - Filme : Bancando a ama seca ( dublado completo )

Papo, papeira.