O ser(-se) sensível - Neurose (Fóbica)






Por mais uma vez faço notar que excluo o termo da sua aplicabilidade somática; restringir-me-ei por conseguinte, e como de outras vezes, a qualidades, independentemente da sua proveniência orgânica, da psique ou das emoções e afectividades constitutivas do ser bicho/ animal que é o Homem (com h grande, fica feio – em forma e humanamente – excluir as senhoras; mas é a nossa língua: com virtudes e revés, enfim, vicissitudes a que não me cabe responsabilidade).


É impressionante como passo por diversos dicionários e as definições que vou encontrando referentes a este termo, sempre bastante semelhantes – o que seria de esperar –, são de uma redutibilidade... insensível! Definições que rodeiam por círculos e círculos, sustentam o mesmo, pouco adiantam, quase nada definem – despejam três ou quatro conceitos para que a definição não se iguale a nada ou a um mero adj. 2 gén., ou seja, um adjectivo aplicável, sem distinção morfológica, a ambos os géneros. Terrível, terrível! Estes professores, linguistas, filologistas, cientistas do diabo a sete... sofrerão todos de algum derivado de onomatomania fóbica? (A questão muda de figura, drasticamente, se virmos a palavra sentimento que, quanto a mim, já se trata de um afunilar do conceito que é o ser-se sensível.) Visto está que por aqui nada adianto. Parágrafo.


Deixo apenas algumas deixas, das que melhor me recordo e às quais mais importância atribuo – venho atribuindo, aprendi a atribuir, como queiram.


Ser sensível é uma propriedade, é também um estado de alma, é de igual forma incontornável como um paradigma de vida.


Ser sensível:


É abandonar um eu auto-centrado, experienciar no máximo das possibilidades o ser do outro. Viver as suas preocupações, partilhar das suas tristezas sem enfado e das suas alegrias como se das nossas se tratassem. Ser sensível é viver no/ e o outro ao máximo das nossas forças, numa entrega incondicional que não pede nada em retorno. Ser sensível é isto, sem que nos esqueçamos também de nós: ser sensível não é alienação incondicional;


É saber escutar, retorquir em palavras nobres que não o sejam apenas da boca para fora: acima de tudo o mais verdadeiramente verdadeiras. É sussurrar ao ouvido palavras amigas e doces que acalmam, que amainam o espírito e reconfortam. É um olhar que, com esse intuito, denuncia reciprocidade, uma fusão de almas numa sintonia de cumplicidade.


É o sintomático abraço de imensa ternura, ser porto de abrigo tanto como fazer do outro garante do mesmo. É partilhar afagos de cabelo, toques suaves que se arrastam pela derme numa festa que garantidamente não se esquece.


É não nos abandonarmos à resposta fácil da crueldade, que assim nos tira um peso de cima, que lançamos ao ente querido quando nos convém (amigo/a ou mais que isso).


É tomar a iniciativa até quando o que seria melhor era que o outro caminhasse para nós, escapulindo àquele ninho momentaneamente confortável que, todavia, não evita o precipitar do conflito.


É ser complacente, pois se nem sempre nós estamos de bons humores não podemos exigir o contrário dos restantes; e ver os restantes, amigos/as ou mais que isso, como um complemento nosso – que na verdade não somos sozinhos.


É extremamente difícil.
Publicado por PmA em agosto 28, 2004 10:49 PM
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Parlendas O que são parlendas, exemplos de parlendas populares, folclore, brincadeiras infantis, versos

COMO É SER AVÓ PELA PRIMEIRA VEZ...

Brincadeiras do Folclore. Principais brincadeiras do folclore brasileiro, jogos folclóricos, brinquedos do folclore

Jerry Lewis - Filme : Bancando a ama seca ( dublado completo )

Papo, papeira.